Grupos Maristas do RS

Quem são eles? Quem eles pensam que são? Uma reflexão sobre a participação juvenil no momento político brasileiro

Mística da PJM,

Depois das manifestações de junho de 2013, quando milhares de jovens foram às ruas para gritar que estavam fartos da forma atual de fazer política, muitos se perguntaram: “E aí? Qual será a consequência disso? O que irá mudar?”. Alguns mais descrentes afirmaram: “O Gigante acordou, mas já dormiu novamente”. No entanto, esse clamor não parou por aí, pois, além dos jovens, inúmeras pessoas e organizações sociais perceberam que era necessário continuar debatendo o assunto e procurando novas formas de participação.

O Brasil tem atualmente o 6º maior PIB (Produto Interno Bruto) do mundo, ou seja, não falta dinheiro. No entanto, por que não temos investimento em saúde e em educação? Por que o transporte é tão caro e de péssima qualidade? Por que o dinheiro que deveria ir para a área social vai para o bolso dos ricos?
Um dos principais motivos é que no atual sistema político, as grandes empresas financiam mais de 90% dos recursos das campanhas eleitorais, logo, os políticos eleitos são controlados pelos interesses delas e não dos cidadãos que votaram. Isso significa que as necessidades do povo em geral não são prioridades da grande maioria dos atuais políticos.

Outro motivo é que a população não é verdadeiramente representada neste sistema político. Vejamos alguns exemplos:
- Atualmente 58% dos eleitores são jovens até 34 anos, mas eles têm uma representatividade de apenas 7% na Câmara dos Deputados;
- A população negra e parda no Brasil soma 51%, no entanto, ela tem apenas 8% de representantes na Câmara dos Deputados;
- As mulheres representam 51% da população, contudo, na Câmara dos Deputados são apenas 8%;
- Os empregados e trabalhadores por conta própria somam 82% da população e têm participação de apenas 19% das vagas na Câmara dos Deputados; já os empregadores (empresários), apesar de somarem apenas 3% da população, preenchem 49% das vagas na Câmara dos Deputados;
- Um eleitor não é igual a um voto: o voto dos eleitores de estados com proporções maiores exerce menor influência sobre o poder legislativo. Por exemplo: no Brasil enquanto em um estado a proporção é de um deputado a cada 432 mil eleitores, em outro é um a cada 33 mil.

Estes são apenas alguns dos inúmeros motivos que remetem a necessidade de uma Reforma Política. Uma das melhores formas de torná-la realidade é através de uma Constituinte Soberana e Exclusiva para a mudança do sistema político. Por isso organizou-se um Plebiscito Popular na Semana da Pátria que está levando milhões de cidadãos a manifestar-se em apoio a estas mudanças.

Contudo, é preciso continuar discutindo nos grupos, nas redes sociais, nas diversas instituições para que este momento histórico não passe sem que as mudanças realmente aconteçam. Que tal refletir isso no seu grupo?

Sugestão de música:  “3ª do plural” da Banda Engenheiros do Hawaii para contribuir na discussão. A partir dela, pode-se refletir: Quem são eles? O que significa politicamente falando, “eles ganham a corrida antes mesmo da largada”? O que significa “professar a fé de quem patrocina”?

Também podemos refletir em nosso grupo: Quem somos nós? Quais são os nossos valores e ideais? Como podemos participar deste momento político histórico que estamos vivendo?

3ª Do Plural
Engenheiros do Hawaii
Corrida pra vender cigarro
Cigarro pra vender remédio
Remédio pra curar a tosse
Tossir, cuspir, jogar pra fora
Corrida pra vender os carros
Pneu, cerveja e gasolina
Cabeça pra usar boné
E professar a fé de quem patrocina
Eles querem te vender
Eles querem te comprar
Querem te matar (de rir)
Querem te fazer chorar
Quem são eles?
Quem eles pensam que são?
Quem são eles?
Quem eles pensam que são?
Quem são eles?
Quem eles pensam que são?
Quem são eles?
Quem eles pensam que são?
Corrida contra o relógio
Silicone contra a gravidade
Dedo no gatilho, velocidade
Quem mente antes diz a verdade
Satisfação garantida
Obsolescência programada
Eles ganham a corrida
Antes mesmo da largada
Eles querem te vender
Eles querem te comprar
Querem te matar (a sede)
Eles querem te sedar
Quem são eles?
Quem eles pensam que são?
Quem são eles?
Quem eles pensam que são?
Quem são eles?
Quem eles pensam que são?
Quem são eles?
Quem eles pensam que são?
Vender, comprar, vendar os olhos
Jogar a rede... contra a parede
Querem te deixar com sede
Não querem te deixar pensar
Quem são eles?
Quem eles pensam que são?
Quem são eles?
Quem eles pensam que são?
Quem são eles?
 

Texto: Maurício Perondi | Analista de Pastoral do Centro de Pastoral e Solidariedade e pesquisador do Observatório Juventudes PUCRS