Grupos Maristas do RS

Maria como recurso habitual

Mística da PJM,

Maria, nossa Boa Mãe, inspirou caminhos na vida de nosso fundador, Marcelino Champagnat.
Seu amor incomparável por ela lhe trouxe muitas conquistas, e sua fé, mais coragem.
O hábito de rezar e interceder à Maria é um exemplo de transmissão de paixões.
Temos que ter isso em mente. Rezar por rezar, pedir por pedir...tudo é em vão se não tivermos crença e vontade de realizar nossos desejos.

Champagnat provou que as orações com Maria faziam parte de uma habitual metodologia de vida, e que sem sua ajuda seria praticamente impossível sonhar alto.
Ela se tornou recurso diário, uma fonte de inspiração e carisma que encanta a cada dia.
Seu sim mostrou a luta, dor e glória de uma vida Cheia de Graça e, com isso, tornamo-nos seguidores desse modelo de história de amor e exemplo de mãe.

O ato de pensar em Maria é indispensável nos nossos dias. Faz parte do nosso projeto de vida sentir sua presença, seu calor, seu afeto.
A ajuda da Boa Mãe coloca-nos em desafios e dúvidas, mas se transforma em oportunidades quando sabemos e queremos passar a ela nossos problemas e agradecimentos com fé.
Ela escuta, entende, questiona e dá amparo.
Não apresenta soluções, mas fortalece nossa esperança para podermos compreender nossas falhas e consertar nossos caminhos.
Não mostra o percurso, mas ensina-nos a trilhar nossas próprias vivências, tropeçar, cair, porém levantar, como ensinou ao seu filho.

A simplicidade, humildade e modéstia, 3 virtudes Maristas, também são presença na vida de Maria.
Seu jeito simples, cuidadoso e paciente fizeram parte da história de Champagnat, que levava seu nome em todas as suas orações.
Hoje, nós, Jovens Maristas, seguimos esses passos, de Marcelino e da Boa Mãe, como devotos ao amor e coragem que eles tiveram por nós.

É um desafio constante dedicar um tempo à Maria, mas é necessário um amparo, uma luz, que confortam e acolhem.
Os jovens precisam desse tempo renovador.
Suas respostas são sinal da vida abundante em nossos corações, além de representarem uma prova de olhar materno, olhar protetor.

De fato, Maria é um recurso que se faz presente todos os dias de nossas vidas.
A crença na Boa Mãe é a crença no amor, nas virtudes, na paz.
Saber aproveitar cada minuto do tempo, por mais curto que seja, é conseguir uma sintonia com Maria, com a mãe.
Seus valores são o espelho refletido de quem acredita e vivencia essa harmonia de sentimentos entre nós, filhos de seu manto.

Que estejamos sempre em busca da Boa Mãe, seja em qual for o momento, para que possamos fortalecer nossa fé e agradecer a vida, a bênção, e, principalmente, a persistência, como exemplo de sua forte luta pelo mundo mais humano e justo.

Assim como foi uma inspiração para Champagnat, Maria é uma inspiração para você?

Sugestão de música: Mãe de Deus – CD da PJM, Corações Conectados.

Vídeo: Boa Mãe
                    

Texto: Eduardo Pavin |Animador no Colégio Marista Conceição e membro da Equipe Provincial da PJM | 2016.