Grupos Maristas do RS

Cobertura midiática criminaliza ocupações estudantis

Papo Cabeça,

Atualmente, mais de mil escolas brasileiras estão ocupadas por estudantes que protestam contra a PEC 241 e a reforma do Ensino Médio. Manifestações que foram silenciadas pela imprensa nacional até os últimos fins de semana, quando o assunto voltou à pauta por ocasião do segundo turno do pleito municipal e em decorrência da aplicação das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).


Movimento secundarista reivindica aprovação de medidas provisórias (Wilson Dias/Agência Brasil)
 

A cobertura dos principais veículos de comunicação do país foi tendenciosa. Em sua maioria, as reportagens mostraram os prejuízos da mobilização para a população criminalizando os adolescentes e jovens por estarem exercendo um direito garantido na legislação brasileira.
 
O portal do Instituto Humanitas Unisinos publicou um texto escrito pela jornalista Marina Pita que evidencia a postura imparcial da mídia. Confira aqui.
 
Fala da jovem Ana Júlia
 
A reportagem de Marina também faz referência à fala de Ana Júlia Ribeiro. No fim do mês de outubro, a jovem de 16 anos ocupou a tribuna da sessão da Assembleia Legislativa do Paraná. Emocionada, ela questionou a postura dos deputados perante as ocupações.
 
“Vocês estão aqui representando o Estado, e eu convido vocês a olharem a mão de vocês. A mão de vocês está suja com o sangue do Lucas. Não só do Lucas, mas de todos os adolescentes e estudantes que são vítimas disso”, disse ela, referindo-se à morte de um estudante durante ocupação na Escola Estadual Santa Felicidade, em Curitiba.
 
No vídeo abaixo, você confere, na integra, o desabafo de Ana Júlia.